1. Ansiedade

Alguns cães muito ansiosos podem ficar inquietos, e caminhar de um lado para o outro ou em círculos podem ser formas de extravasar esta emoção. A ansiedade pode ter muitas causas, incluindo: medo de trovões/fogos de artifícioansiedade por separação, traumas, ou até mesmo transtorno obsessivo-compulsivo.

Cães ansiosos e medrosos podem ficar inquietos e caminhar em círculos ou sem um rumo definido quando estão assustados. Além de caminhar de forma inquieta, um cão muito ansioso também pode deixar de se alimentar durante os períodos em que estiver mais estressado, pode lamber as patas repetidamente, e chorar ou latir. Nem todos estes sinais necessariamente estarão presentes, mas todos indicam que o cão pode estar ansioso.

2. Para  deitar  e  dormir

Andar em círculos antes de se deitar é um comportamento normal dos cães, e que desperta curiosidade. Este comportamento se mantém desde os ancestrais dos cães. e existem várias teorias pra explicar o porquê disso:

• Para “fazer uma cama”. Nem sempre os cães tiveram caminhas para dormir. Então, acredita-se que os cães andavam em círculos para amassar o mato e afofar a superfície, deixando-a mais confortável para dormir.

• Para deixar o ninho mais seguro. Ao andar em círculos, além de amassar a grama, o cão também acabava espantando pequenos animais, insetos e cobras do seu “ninho” – assim, ele ficava mais seguro para se acomodar ali.

• Para regular a temperatura. No calor, cavar e andar em círculos ajuda a expor o solo abaixo da grama, criando uma superfície mais fresca para se deitar. Já no frio, o buraco criado isola o cão termicamente do resto do ambiente, protegendo-o de temperaturas extremas.

• Para checar se há predadores. Enquanto preparava a sua “cama”, o cão também podia checar os seus arredores e se certificar de que não havia predadores ou outros animais perigosos por perto.

3. Doença  vestibular

O sistema vestibular é responsável pelo senso de equilíbrio, noção espacial, e posição do corpo do cão. Quando este sistema fica prejudicado, o cão pode perder o equilíbrio, ficar com a cabeça pendendo para um lado, andar em círculos, e até mesmo vomitar por sentir tontura.

A maioria dos casos de doença vestibular em cães está relacionada a otites crônicas ou recorrentes, já que o receptor deste sistema fica dentro do ouvido médio. Geralmente, se for tratada a causa primária, a doença vestibular também melhora significativamente ou pode até ser curada. Já se a doença vestibular tiver origem central (no cérebro), o prognóstico não é tão bom.

4. Disfunção  Cognitiva  Canina

Disfunção Cognitiva Canina, também conhecida como o “Alzheimer dos cães”, é uma doença que causa diversas alterações de comportamento. O cão pode passar a caminhar de um lado para o outro, ou em círculos, porque fica inquieto, desorientado ou confuso. Outros sinais da DCC incluem alterações no ciclo sono/vigília (cão dorme muito durante o dia, fica acordado ou ativo à noite), perda do adestramento, ficar parado olhando para lugar nenhum, entre outras.

5. Tumores  cerebrais

Um tumor cerebral, a depender do seu tamanho e posição, pode causar alterações de comportamento, podendo fazer com que o cão passe a andar em círculos ou de um lado para o outro sem motivo aparente. Os sinais de um tumor cerebral são muito variáveis, mas podem incluir convulsões, confusão mental, dor, incoordenação motora, entre outros.

6. Convulsões  parciais

As convulsões parciais são um tipo de convulsão diferente daquelas “típicas”, que todo mundo conhece. Este tipo de convulsão afeta apenas uma parte do cérebro, de modo que o cão não chega a ficar inconsciente, mas pode apresentar comportamentos aberrantes, tais como: caçar moscas invisíveis, morder a própria cauda, movimentar um ou mais membros involuntariamente, caminhar em círculos, tornar-se súbita e inexplicavelmente agressivo, entre outros. Estes comportamentos estranhos duram pouco tempo, e param tão rapidamente quanto surgiram. As convulsões parciais são sempre “adquiridas” (ou seja, diferente dos cães epilépticos, por exemplo, nenhum cão nasce com propensão a convulsões parciais) – por isso, é comum que comecem a ocorrer depois de acidentes traumáticos ou intoxicações. Também podem ser decorrentes de tumores e AVCs.

Como  saber  qual  é  o  caso  do  SEU  cachorro?

É interessante filmar o cão quando ele estiver apresentando o comportamento que você considere estranho – seja este caminhar de forma inquieta, em círculos, ou outras alterações que lhe chamem a atenção. Quando for ao veterinário, leve o vídeo junto para que ele possa realmente compreender o que está havendo, sem que haja problemas de interpretação. Conforme o caso, ele poderá solicitar exames e chegar a um diagnóstico – ou mesmo concluir que o comportamento é normal para aquele cão.

Fonte: www.meucaovelhinho.com.br